A Lagoa das Lágrimas de Guarapuava

Guarapuava é uma movimentada cidade do Sul do Paraná. A Lagoa das Lágrimas é um dos pontos turísticos de lá.

img_20200212_1001546656861545252484824512.jpg

Fica próximo ao centro e é local para caminhadas e lazer da população.

img_20200212_1007200495885518893719812707.jpg

img_20200212_1002253559048479008920176786.jpg

O nome Lagoa das Lágrimas se deve a uma lenda indígena.

img_20200212_1002571681903883250398656056.jpg

Guarapuava é uma das cidades do Paraná que mais se desenvolveu nos últimos anos.

img_20200212_0953077353556742196786846154.jpg

img_20200212_0953562051361875197667614876.jpg

Foi minha última noite no Paraná, na viagem que fiz em janeiro e fevereiro. De Guarapuava comecei o retorno ao RS, mas antes parei em SC. As estradas do Paraná estão bem boas na região.

img-20200212-wa00082760602813701106361.jpg

Há belas paisagens pelo caminho.

img-20200212-wa00116968543997890649042.jpg

img-20200212-wa00096602208185616347503.jpg

Mais uma vez passei pelo rio Iguaçu.

img-20200212-wa00105375358948060659754.jpg

Meu próximo destino é Chapecó, em Santa Catarina, onde passei uma noite. Tema para o último post desta série que mostrou o roteiro de 5.800 km que fiz no começo de 2020. Mais fotos de viagem estão lá no meu perfil no Instagram.

Na região onde ficavam as Sete Quedas

O salto das Sete Quedas desapareceu no começo dos anos 80, com a inauguração da hidrelétrica de Itaipu. A formação do lago inundou a cachoeira, que era uma das maiores do Brasil. Em 82, antes do parque fechar, houve uma corrida de turistas. Uma ponte pênsil caiu e 32 pessoas morreram. Este acidente foi muito noticiado na época. A cidade de Guaíra fica no oeste do Paraná, na divisa com o Mato Grosso do Sul. Bem às margens do Rio Paraná, onde fica Itaipu e onde ficavam as Sete Quedas.

img_20200128_1014298442643285350531924335.jpg

Ao longe é possível ver a ponte Ayrton Senna, que tem mais de 3 km de extensão e liga o Paraná ao Mato Grosso do Sul.

img_20200128_1014477871069008195768770494.jpg

Entre as atrações de Guaíra está esta bela igreja de pedra, que tem 85 anos. Dizem que foi feita com pedras tiradas das Sete Quedas, mas acho que é dito popular.

img_20200128_1007094943965067577728298159.jpg

img_20200128_1007527377318951099820653593.jpg

Perto dali fica o museu, com fotos das Sete Quedas e informações de como era esta atração turística.

img_20200128_1028291541341412052975327486.jpg

O museu fica bem na frente de uma praça.

img_20200128_1027263902654028552809944524.jpg

img_20200128_1026420024982205301112180777.jpg

img_20200128_1027067256871165865652838539.jpg

Guaíra é uma cidade bem quente, então optei por um hotel com piscina.

img_20200127_1558189237855303373652399071.jpg

Antes de chegar a Guaíra, depois de sair de Dionisio Cerqueira, passei por outro importante rio da região, o Iguaçu, que forma as famosas cataratas de Foz do Iguaçu.

img_20200127_1014312614069479929402309665.jpg

img_20200127_1023157475406420685618808927.jpg

A viagem de Dionisio Cerqueira para Guaíra é bem complicada no trecho de Santa Lúcia. A BR-163 está em obras de duplicação e tem intenso movimento de caminhões. É preciso ter paciência em alguns momentos. Mais perto da BR 277 e de Cascavel há trechos duplicados e aí fica uma beleza. Mas me parece que a duplicação da BR-163 pode ser comparada à obra da BR-116 aqui no RS. Vai devagar quase parando…. No próximo Post vamos atravessar o Rio Paraná e chegar ao Centro Oeste brasileiro. Confira mais fotos no meu perfil no Instagram.