A Comunidade Argentina e outros locais em Protásio Alves

Protásio Alves é aquele município vizinho de Nova Prata, onde ficam as termas Caldas do Prata, muito famosa na região. O interior de Protásio Alves é bem interessante para quem gosta de passear pelas estradas vicinais. A travessando o Rio da Prata, a partir de Nova Prata, entra-se no município vizinho. Há vários locais para atravessar o rio, um deles é ao lado da capela de São Miguel, em Nova Prata.

Uma estrada mista, com asfalto em chão, leva à comunidade Argentina.

O nome Argentina se deve a um time de futebol que os guris da região montaram há muito tempo. O time era a Argentina e o nome pegou. Há poucos moradores por lá.

Bem perto da Comunidade Argentina fica a capela de São Valentim, de madeira.

A capela data da década de 40, foi inaugurada em 1947.

Tem uma porta muito bonita.

O acesso a esta capela é feito por estrada de chão. Há placas indicativas das localidades no interior de Protásio Alves.

Outra comunidade rural da região é a de São João, ainda em Protásio Alves.

Encontrei algumas casas de madeira por lá.

Seguindo depois de volta a Nova Prata por outro caminho, mais ao norte, passei pela comunidade de Campo Alto, com sua igreja bem simples.

O município de Protásio Alves é bem organizado em seu meio rural. Todas as comunidades são devidamente sinalizadas. Há trechos de asfalto e de chão, este último em bom estado. Protásio Alves tem como vizinho, ao Norte, o município de André da Rocha. Confira mais fotos de minhas viagens por aí lá no Instagram.

A Capela São Valentim de União da Serra

Mais uma capela de madeira no município de União da Serra. Esta, passei meio que por acaso. Estava circulando numa estrada próximo ao Rio Pulador quando uma placa me chamou a atenção. Decidi conferir e tive uma bela surpresa.

Achei que ia ver uma capela comum, mas me enganei.

A capela está isolada, no meio do nada. De lá, segui por uma estrada estreita até o Rio Pulador, onde conheci um local chamado de Acampamento Galera da Caverna. Um local que deve ser usado por alguma turma. Ainda é o município de União da Serra.

Não é possível atravessar o Rio Pulador de carro alí, mas uma ponte está em construção.

No Google Maps, não havia fotos desse Acampamento. Agora tem. Bem, depois eu decidi seguir para a cidade de Montauri, ao norte. Peguei mais uma estrada estreita às margens do Rio Pulador. No caminho, passei pela Linha 12 e mais uma capela, a de Santo Antônio.

Esta não é de madeira, mas tem uma cor que não é tão tradicional assim para igrejas. Ficou bem bonita.

A essas alturas, já tinha passado de meio-dia e eu procurava um lugar para almoçar. Fui até Montauri mas não encontrei nada aberto. Acabei almoçando em Nova Alvorada, no restaurante do hotel Pelegrini. No caminho fiz novas descobertas, como vou mostrar no próximo Post. Confira mais fotos de viagens lá no meu perfil no Instagram.

Gramado: Museu do Trem e Capela Quilombo

O Museu do Trem de Gramado funciona num prédio que foi a antiga estação ferroviária, no bairro Várzea Grande. Deve ter sido usada para a chegada e partida dos imigrantes que colonizaram a região. O museu é bem perto da RS-115.

No dia em que passei por lá o museu estava fechado.

Seguindo em direção ao Vale do Quilombo, tem uma capela abandonada, logo depois que termina o asfalto. É a capela Quilombo, no estilo enxaimel.

No caminho, ainda no trecho asfaltado, tem este belo casarão.

As hortências já estavam perdendo a cor.

Depois da capela Quilombo, seguindo a estrada de chão em direção à RS-235, tem a linha 28 e a capela de São Valentim.

Quem viaja de carro até Gramado não deve visitar apenas os pontos turísticos conhecidos. Circulando pelas estradas do Interior tem muita coisa para descobrir.

Uma dica é entrar no Google Maps e percorrer as pequenas estradas do Interior para ver onde ficam algumas atrações, como capelas e casarões antigos. Vale a pena. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

De Casca a Serafina Correa

No centro da cidade de Casca fica o museu municipal, um casarão de madeira antigo.

img_20190622_105934961_hdr2858006425676344021.jpg

É na frente da praça da igreja.

img_20190622_110011932_hdr630897136422779292.jpg

img_20190622_105958666_hdr8240073958228255879.jpg

Na esquina de frente para o museu tem outro casarão. Um sobrado.

img_20190622_110042788_hdr4940523822852921743.jpg

Tudo isso na frente da igreja matriz. Se for caminhar na praça em dias quentes, cuidado com os borrachudos…

img_20190622_110320190_hdr204292987146330892.jpg

img_20190622_110402564_hdr679101300633415700.jpg

Casca não tem muitos prédios altos. Este, fica no centro da cidade.

img_20190622_111536718_hdr821403604144762107.jpg

Saindo de Casca passei por Vila Evangelista, um local histórico que já foi mostrado aqui no site. De lá peguei uma estrada de chão para Serafina Correa, passando pela capela de São Valentim.

img_20190622_114347064_hdr6968977294265135517.jpg

A torre de madeira é que se destaca.

img_20190622_114400005_hdr741391585700878106.jpg

img_20190622_114417951_hdr6895538095853531813.jpg

A estrada é de chão mas está muito boa.

img_20190622_114530402_hdr4256553572547574265.jpg

Em Serafina Correa, a principal atração é a Via Gênova, no centro, que tem réplicas de prédios italianos. Uma das festas mais populares da cidade é o Festpizza, agora em julho. A foto abaixo é na praça da igreja.

img_20190622_120851282_hdr789236536625989688.jpg

Serafina tem dois hotéis mas acho meio caro. Cobram muito pelo que oferecem. Já me hospedei nos dois. Confira também as fotos que eu publico no Instagram. Estou ainda no Twitter e no Facebook.