De Portão a São José do Hortêncio

Mais um roteiro por estradas do interior, passando por algumas comunidades afastadas do centro das cidades. Em Portão, passei por uma capela, a de Santo Expedito, que ao lado tinha um capitel do mesmo nome.

O capitel é bem bonito.

Logo depois da capela tem um local conhecido como Pico da Caixa Dágua. Não tinha fotos no Google Maps. Agora tem.

Uns 2 km adiante, na mesma estrada, fica o pico do Macaco Branco.

São apenas pontos marcados no mapa. Não tem nada por lá. Seguindo pela estrada de chão, passei por um distrito, de Lindolfo Collor, com uma capela sem nome.

Na frente tem uma igrejinha, também sem nome.

Acabei seguindo em direção ao centro de Lindolfo Collor. Fotografei a capela São Roque, que também não tinha fotos no Google Maps. Fica num lugar difícil de parar o carro.

Ainda por estrada de chão, com algumas partes de asfalto, segui em direção ao Rio Cadeia e São José do Hortêncio. No caminho, passei pelo município de Presidente Lucena. Esta igreja fica num distrito que não consegui descobrir o nome. Próximo à Linha Nova Baixa.

Uma casa antiga, de 1913.

Outra casa, meio escondida.

Seguindo meu caminho, passei por São José do Hortêncio, nas margens do Rio Cadeia, e descobri este antigo casarão, perto da ponte velha.

Depois subi para Linha Nova. Durante todo o tempo, o céu estava meio nublado, ameaçando chover, mas a chuva ficou mais ao longe.

Em Linha Nova, descobri que tem um roteiro pelo interior e várias casas antigas, que pretendo conhecer em outra oportunidade, mas fotografei a casa do artesão, que fica perto da igreja. Assunto para o próximo Post. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

Salão comunitário da Linha 23 em Vila Maria ainda se recupera de temporal

Este temporal aconteceu bem no fim de novembro do ano passado. Passei pela região em primeiro de janeiro de 2021 e os estragos ainda estavam à vista. Parte da parede do salão comunitário veio abaixo.

O telhado também foi atingido. Passei de novo pela região em março e as paredes continuavam do mesmo jeito.

O salão comunitário fica ao lado da capela São Roque.

Eu cheguei à região depois de visitar a cascata do porongo. Meu destino era a cidade de Santo Antonio de Pádua, mas passei antes pela capela São José, na localidade de Cerro Paraíso.

Todo o trajeto foi feito por estrada de chão.

No caminho, esta pequena casa que me pareceu abandonada chamou a atenção.

No verão é comum acontecerem temporais em cidades do norte e noroeste do RS. Grandes áreas abertas facilitam a ação do vento. Confira no meu perfil no Instagram mais fotos de viagens.

De Muçum a Vespasiano Correa por estrada de chão

Subindo a estrada de São Cristóvão, a partir de Muçum, é possível chegar até a região de Vespasiano Correa. Tudo por estrada de chão. No caminho, algumas comunidades e suas capelas. Como a de São Romédio, que fica perto da Linha Alegre.

Alguns quilômetros mais para cima encontrei uma pequena igreja que nem aparece no Google Maps. Não descobri o nome porque as pessoas que estavam na igreja rezavam e não quis atrapalhar.

A igreja fica ao lado desse capitólio.

A estrada de chão é boa, o problema maior é o pó.

Já próximo de Vespasiano fica a capela de São Roque, que tem uma estrutura diferente.

Chegando na RS-129, descobri este casarão antigo.

Casas de madeira nesse estilo são comuns na região. Algumas capelas também são de madeira, mas poucas. Essas são as mais bonitas. O roteiro pela região continua e no próximo Post vou falar de um lugar bom para descansar. Confira mais fotos de viagens lá no meu perfil no Instagram.