A caverna indígena de Veranópolis

Estive inúmeras vezes em Veranópolis nos últimos anos mas é a primeira vez que visito a gruta indígena. Fica a uns 10 km do centro, do lado direito de quem está na BR 470 em direção ao norte. Há placas indicando o caminho. Depois de sair da BR tem uma estrada estreita, de chão, de uns 5 ou 6 km. Chegando na gruta, é preciso caminhar um trecho.

A descida é fácil e curta.

A gruta tem uns 60 metros mas há luzes na parte interna.

Dizem que índios caingangues viveram na região.

A área tem uma espécie de mirante, mas há muitas árvores em volta.

Depois de visitar a caverna indígena, é só subir de volta…

Veranópolis tem muitas atrações para o turista. O maior problema da cidade são os hotéis. Tem um na margem da BR, com cabanas, que é o melhor. Outro hotel fica no centro da cidade, a uma quadra da igreja. Acontece que as diárias são muito altas. Um quarto para casal chega a custar quase 300 reais, o que é um absurdo. Tem hotel em Caxias pela metade do preço oferecendo muito mais conforto. Veranópolis precisa de um hotel tipo Ibis, e com urgência. Confira mais fotos no meu perfil no Instagram.

A gruta religiosa de David Canabarro

Várias cidades gaúchas tem uma gruta com imagens de uma santa, que as pessoas religiosas procuram para rezar. Geralmente é uma pequena abertura num paredão de rochas. A gruta de David Canabarro fica a uns 11 km da cidade, com acesso por estrada de chão.

Fica numa área isolada, com algumas árvores.

Tem uma área para estacionar o carro.

Algumas grutas que visitei estavam com sinais de abandono. A de David Canabarro não.

David Canabarro fica ao norte do RS, com acesso pela RS-129 a partir da RS-324 em Casca. Confira mais fotos no meu perfil no Instagram.

A capela São Sebastião de David Canabarro

Este é o terceiro post de uma série com capelas de madeira que conheci em janeiro no Norte do RS. Esta capela fica na chegada a David Canabarro, bem às margens da RS-129.

A capela estava aberta, então foi possível fotografar o interior.

David Canabarro é um município vizinho de Vanini e São Domingos do Sul.

Ao lado da capela tem um prédio abandonado onde parece que funcionou uma escola.

Ainda em David Canabarro, passei pela capela de São Brás.

E também pela comunidade de Nossa Senhora de Fátima.

A capela mais bonita, mesmo, é a de São Sebastião. As outras são bem comuns. A segunda parte do roteiro foi por estrada de chão. Confira mais fotos no meu perfil no Instagram.

Uma capela histórica em São Domingos do Sul

Esta pequena capela de madeira surpreende quem passa pela região, no interior de São Domingos do Sul. É a capela de São Gotardo, na comunidade do mesmo nome.

O prédio foi tombado pelo patrimônio histórico.

A capela foi construída pela comunidade na década de 40.

A estrada para chegar à comunidade de São Gotardo tem calçamento.

Nesse mesmo dia percorri outras comunidades da região. Também em São Domingos, visitei a capela de São Valentim.

No município vizinho de Vanini, passei pela comunidade de São Paulo.

Também em Vanini, a comunidade de Nossa Senhora da Salete que, no Google Maps, está indicado em lugar errado. Na verdade fica uns 3 ou 4 km adiante. Já pedi para corrigirem no mapa.

Toda essa parte final do roteiro foi por estrada de chão.

No geral, as estradas de chão dessa região estão boas. Algumas tem alguns pedregulhos, resultado do tipo de solo. E por causa da falta de chuva, pó é o que não falta. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

A Capela Santuário de Vanini

Esta pequena capela de madeira é conhecida como a Capela Santuário e fica perto da RS-129 no município de Vanini, norte do RS.

O nome correto do local é capela de Nossa Senhora Rainha da Paz. Há placas na estrada com este nome e com o nome de santuário. Acho que santuário é conhecido mais popularmente.

A capela é bem bonita. É difícil encontrar pequenas igrejas de madeira na região. Isso é mais comum na Serra.

Neste dia eu saí da cidade de Casca e percorri diversas estradas de chão em direção ao Norte, quando conheci pequenas igrejas de várias comunidades. Uma delas é a capela de Nossa Senhora dos Navegantes, ainda em Casca. O nome navegantes pode ser explicado pelo rio Carreiro, que passa perto.

As estradas da região estão em bom estado. É uma região rica em lavouras.

No município de São Domingos do Sul, vizinho de Casca, fui numa comunidade do interior e fotografei a capela São Marcos.

No mesmo município fica a capela de Santa Maria Goretti.

Neste mesmo dia percorri outras comunidades da região. Numa delas encontrei outra bela capela de madeira, tombada pelo patrimônio histórico. Assunto para o próximo Post. Confira mais fotos de viagens lá no Instagram.