De volta à Caverna do Diabo

Cerca de 10 anos depois, voltei a visitar a conhecida Caverna do Diabo, no sul do estado de São Paulo. Fica bem perto da divisa com o Paraná. O acesso é pela BR-116, a Régis Bittencourt, a partir da cidade de Jacupiranga. Tem placas indicativas na rodovia. A estrada é ruim nos primeiros quilômetros, mas melhora depois de Eldorado. A entrada no parque custa 14 reais.

Depois é preciso pagar mais 18 reais pela visita guiada, mas vale a pena.

A caverna é muito grande, mas apenas 600 metros são passíveis de visitação.

O guia vai explicando o que são as formações rochosas vistas pelo visitante.

A trilha para caminhada é bem leve, sem problemas. A temperatura dentro da caverna é bem amena.

A caverna foi descoberta por moradores da região há muitos anos. Eles usavam a caverna para guardar alimentos que muitas vezes apareciam remexidos pelos animais. Algumas pessoas diziam que a caverna era morada do diabo, daí o nome. Muito depois, quando alguém chegou mais fundo na caverna, viu que era verdade. O Diabo deixou sua marca numa das paredes…

A cidade de Eldorado tem um bom hotel, o pirâmide. A visitação ao parque é permitida até 17 hs. O passeio dentro da caverna pode durar até uma hora e meia, dependendo da pressa ou não do visitante. Vale a pena conhecer este ponto turístico do estado de São Paulo. Mais fotos de minhas viagens são postadas no Instagram.

Capela antiga e uma gruta perto da Vila Jansen

Circulando pelo interior de Farroupilha. Na região da Vila Jansen, logo depois da entrada para o Caminhos de Pedra, em Bento. Era Outono, um dia frio.

A capela de São Valentim tem mais de 100 anos. É toda de pedra.

O acesso é por estrada de chão a partir da RS-448, que liga Farroupilha e Nova Roma do Sul.

Alguns quilômetros adiante fica a gruta de Nossa Senhora de Lourdes, um local de encontro de religiosos.

A estrada continua de chão, estreita em alguns pontos.

Neste mesmo dia acabei circulando bastante pela Serra. Passei em Flores da Cunha para almoçar e fui até a vinícola Argenta.

Depois do almoço fui até o Belvedere dos Sonda em Nova Pádua. O Rio das Antas estava bem seco.

Logo depois que saí do Belvedere começou a chover muito forte. Choveu praticamente toda a tarde daquela sexta-feira, o que deve ter melhorado o nível dos rios na região. Para conferir mais roteiros que fiz pelo interior, visite meu perfil no Instagram.

Onde o Rio Pardo se encontra com o Jacuí

Dois rios bem importantes do RS. O encontro das águas acontece no centro de Rio Pardo, no local conhecido como a Praia dos Ingazeiros.

As fotos foram feitas num fim de tarde de sábado. Começo de maio. Há um mirante de onde se pode avistar bem o rio.

A praia dos Ingazeiros é bem famosa e fica cheia nos fins de semana de verão. Mas a cidade de Rio Pardo tem outros atrativos. Como a primeira rua com calçamento no Rio Grande do Sul.

Há muitos casarões antigos em Rio Pardo, pena que muitos em estado de abandono.

Mesmo os casarões sendo propriedade privada, nota-se um descaso do poder público do município com sua história.

Rio Pardo fica bem perto de Santa Cruz do Sul. A cidade tem um bom hotel, o Recanto do Imperador. Falta um pouco de boa vontade da administração pública para investir no turismo. Confira mais fotos de minhas viagens por aí lá no Instagram.

Igreja com campanário de madeira em Boa Vista do Sul

Num dia de abril passei por algumas comunidades no interior de Boa Vista do Sul. Passeios feito principalmente por estrada de chão. Em São Roque de Castro tem uma bonita igreja com um campanário de madeira.

As estradas de chão da região estão em bom estado, são bem largas e planas. Na comunidade de São Roque tem um pequeno trecho com asfalto.

Ao lado da igreja tem esta casa antiga de madeira.

Lá perto tem uma gruta, que não consegui achar. A localização no Google Maps não está bem correta. Vou voltar para tentar encontrar essa gruta. Também perto dali fica a comunidade de Cristo Rei, ainda em Boa Vista do Sul.

Seguindo em direção a Coronel Pilar, passei pela comunidade de São Roque Figueira de Melo.

Toda essa região é bem bonita, com belas paisagens. A maior parte desse roteiro foi feita por estrada de chão. Passei pelo centro de Coronel Pilar em busca de um restaurante para almoçar, mas não vi nenhum aberto. Segui então para Garibaldi. De lá fiz outros passeios pelo Vale dos Vinhedos. Para conferir mais fotos de minhas viagens, visite meu perfil no Instagram.

Capelas de madeira pelo Interior de Vista Alegre do Prata

Esta região do RS tem muitas capelas de madeira. Muita estrada de chão e muitas comunidades para visitar. Saindo do centro de Guaporé em direção ao autódromo, tem uma estrada asfaltada à esquerda que leva a Vista Alegre do Prata. Logo depois da ponte sobre o Rio Carreiro, peguei uma estrada de chão para visitar a área rural de Vista Alegre do Prata. Na comunidade de Santo Anjo, uma pequena capela de madeira se destaca.

Seguindo para o Norte, a estrada tem trechos asfaltados.

E a comunidade de Nossa Senhora da Pompéia.

Procurando essas capelas, acabei entrando antes numa propriedade particular onde uma bonita casa de madeira chamou minha atenção.

O filho da dona da casa apareceu e nos disse que a casa antiga será demolida para dar lugar a uma mais nova.

O garoto de 15 anos, chamado Mateus, nos indicou outros lugares para conhecer na região. Depois de passar pelas duas capelas mostradas acima, chegamos ao centro de Vista Alegre do Prata.

De Vista Alegre do Prata pegamos uma estrada de chão em direção a Nova Prata. No caminho, passamos por outra capela de madeira, a de Santo Estanislau Bispo, já em Nova Prata.

Nova Prata tem um roteiro religioso com várias capelas de madeira, que serão mostradas em outros posts. Confira mais fotos de viagem no meu perfil no Instagram.