Na região de Goio Ên, divisa do RS com SC

No primeiro dia de 2022 me aventurei por uma região bem bonita do RS, na divisa com SC. Saindo de Nonoai pela RS 406 em direção ao Norte, tem um pequeno restaurante com vista para o Rio Uruguai, o Mirante Mattes.

Dá para parar o carro e ficar um tempo curtindo a paisagem.

Descendo em direção ao rio Uruguai, tem uma ponte interditada. Ao lado, um grupo de indígenas curtia as águas frias do rio, para fugir do calor. O Rio Lajeado Grande desemboca no Uruguai por ali.

O Goio En é uma região turística, com muitos restaurantes e passeios de barco pelo Uruguai. Do lado gaúcho, tem uma pequena capela, a de Porto Goio En.

O rio Uruguai é bem largo por lá.

Atravessando a ponte para SC, tem mais atrações do lado de lá. Tem uma marina, com lugar para quem gosta de ficar à toa na beira do rio, e alguns restaurantes.

Eu almocei na subida para Chapecó, no restaurante e peixaria Sangalli, com uma bela vista do rio. Era primeiro de janeiro e a maioria dos restaurantes não abriu, apesar de ser um sábado de verão e com bastante movimento de turistas.

Um pouco acima, seguindo para Chapecó, fica a bela igreja da Serrinha, de madeira.

Neste dia acabamos indo até Chapecó, mas estava tudo fechado na cidade, até mesmo o shopping. Retornamos então ao RS e passamos a noite em Erechim. O primeiro dia de 2022 foi de forte calor na região. Confira mais fotos no meu perfil no Instagram.

As torres da antiga igreja de Itá, SC

Uma das atrações turísticas desta cidade catarinense são as torres da antiga igreja, que foi inundada pelo lago da barragem da usina de Itá. Quando estive na cidade pela primeira vez, há uns 15 anos, era visível apenas o topo das torres. Em agosto deste ano voltei a Itá e as torres estavam assim.

Agora existe uma área de lazer e a estrada foi asfaltada, Melhoraram a infra-estrutura.

Itá tem águas termais e um hotel bem caro que atrai turistas. Há outras opções de hospedagem, mas não são muito baratas também. Desta vez fiquei pouco tempo na cidade, depois voltei para o RS. Eu cheguei a Itá pela RS-420 a partir de Erechim, passando por Aratiba. Depois da igreja do lago de Aratiba, mostrada no Post anterior, a RS-420 segue para SC. No caminho, subi uma estrada de chão até um local conhecido como Mirante do Burro Branco.

O lago que se vê lá de cima é formado pela barragem da usina de Itá. Pela RS-420, passa-se bem perto da usina.

A barragem tem vários vertedouros, este é um deles.

A parte de SC está totalmente asfaltada, mas do lado do RS ainda não. No caminho há vários pontos para fotos. Este já fica em SC.

Também há mirantes do lado do RS. O lago da barragem é muito grande.

Há outro caminho para chegar a Itá, passando pela cidade de Concórdia, mas eu fui e voltei por Aratiba, que é mais perto. Confira mais fotos de viagem lá no Instagram.

A Vila Trentin de Erechim

Um recanto italiano no Norte do Estado é esta Vila Trentin, que fica a 4 km do centro de Erechim, numa região conhecida como o Vale Dourado. É a mesma estrada que leva a Aratiba e à divisa com SC. Tem asfalto. A Vila Trentin é um ótimo lugar para passar um fim de semana. Tem cabanas bem rústicas.

Eu passei uma noite lá em julho, num dia em que fazia muito frio. Pela manhã, o termômetro marcou 3 graus.

A Vila Trentin tem um restaurante que oferece jantar italiano, almoço ou café colonial.

A hospedagem pode ser feita já com as refeições. Isso é bom porque não é preciso sair do local.

Erechim está localizada ao norte do RS, acima de Passo Fundo, em direção a Santa Catarina.

A Vila Trentin é apenas uma das atrações de Erechim. Um passeio pelo Vale Dourado também vale a pena.

Nos fins de semana os preços da Vila Trentin são mais altos. Em julho, paguei 280 reais uma noite na cabana com jantar e café da manhã, para 2 pessoas. Quem preferir se hospedar num dos muitos hotéis do centro de Erechim, pode optar por um almoço ou café colonial na Vila Trentin. Depois que passei uma noite em Erechim comecei um roteiro por regiões fora do RS. Nos próximos posts vou mostrar um pouco do que foi minha viagem de 19 dias. Confira mais fotos lá no meu perfil no Instagram.

De Severiano de Almeida a Gaurama

Esta é a parte final do passeio pelo Alto Uruguai. De Severiano de Almeida a Gaurama é possível fazer todo o caminho por asfalto, mas eu gosto de conhecer novos lugares, então fiz o caminho maior. A primeira cidade do roteiro é Severiano, com acesso a partir da BR-153.

Depois subi até Mariano Moro, ainda asfalto.

De Mariano Moro retornei a Severiano e peguei a BR_153 em direção a SC e, antes da divisa, entrei numa estrada de chão à direita, em direção a Marcelino Ramos. A estrada passa perto do Rio Uruguai.

Em Marcelino uma das atrações é a ponte ferroviária que liga o RS a Santa Catarina. Já passei de carro por lá, há uns 10 anos. Hoje, não sei se ainda é possível.

Marcelino tem um parque de águas termais que atrai turistas. E atrações dentro do turismo religioso.

Saindo de Marcelino em direção a Erechim, por estrada asfaltada, a primeira cidade no caminho é Viadutos.

Em seguida fica Gaurama.

Depois de Gaurama voltei a Erechim para passar mais uma noite. No outro dia, bem cedo, saí para Quatro Irmãos. O acesso tem uma grande parte em estrada de chão, sem buracos, mas com muito pó.

A área urbana de Quatro Irmãos é pequeníssima. Na entrada da cidade fiz esta foto.

No centro, apenas uma rua asfaltada e uma meia dúzia de outras, com calçamento.

Quatro Irmãos encerra a viagem ao Alto Uruguai. Já conheço todos os municípios desta região gaúcha. Em todo o RS já são agora 406 cidades visitadas. Faltam 91. Para saber mais de minhas viagens, navegue pelo site. E conheça meu perfil no Instagram. Ou no Twitter.

Cruzaltense e Três Arroios, no Alto Uruguai

Depois de chegar a 400 cidades gaúchas, a meta é avançar. Continuando este roteiro pelo Alto Uruguai, mais duas pequenas cidades. A primeira é Cruzaltense, vizinha de Entre Rios do Sul.

Depois de Cruzaltense foi a vez de fazer uma pausa e voltar a Erechim para o almoço. Após reabastecer, segui para Três Arroios, que fica ao norte, pela BR-153. A cidade tem uma bela igreja e a Casa de Cultura ao lado.

A rua principal tem asfalto.

A principal atração de Três Arroios é o parque das Termas, que em abril não funciona.

De Erechim a Três Arroios são poucos quilômetros pela BR-153, que tem bom asfalto mas em alguns dias e horários conta com intenso movimento de caminhões. É preciso ter cuidado. Confira também meu perfil no Instagram. Ou no Twitter.