Em Lindolfo Collor e São José do Hortêncio

Duas cidades vizinhas, separadas pelo Rio Cadeia. Ficam relativamente perto de Porto Alegre. Cheguei a Lindolfo Collor num domingo de setembro, a partir de Ivoti. Estrada asfaltada. A cidade estava com pouquíssimo movimento.

Esta casa acima, em estilo enxaimel, está abandonada e fica bem no centro da cidade. Depois, circulei pelo município. Na estrada da Linha Nova Baixa fica esta igreja.

Na frente da igreja, uma casa abandonada. Em ruínas.

Seguindo para o Leste, atravessei o Rio Cadeia, chegando a São José do Hortêncio. No rio, tem uma ponte de ferro.

Na região tem esta casa de 1949.

No centro de São José do Hortêncio, descobri esta pequena praça, na avenida principal.

Uma casa antiga que achei interessante.

Na cidade de São José do Hortêncio tem uma grande avenida, uma das maiores da região.

A igreja e o cemitério.

São José do Hortêncio tem uma atração turística no interior. Uma barragem que é assunto para o próximo Post. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

Capelas de madeira entre Antonio Prado e Flores da Cunha

Normalmente quem faz o caminho entre as duas cidades pega a RS-122 e vai embora. Eu sempre procuro alguma coisa diferente para conhecer na região onde estou passeando. Por exemplo, do lado de Antonio Prado, um pouco antes da ponte sobre o Rio das Antas, tem uma bela capela de madeira, a Capela São Paulo.

O acesso é uma estrada de chão do lado esquerdo de quem desce a 122. Pouco antes da ponte.

Depois do Rio das Antas, tem uma estrada de chão que leva a São Marcos. Nesta estrada fica a localidade de Santo Antonio dos Polidoros. Lá tem outra bela capela de madeira.

No caminho uma ponte de ferro que atravessa o Rio São Marcos.

Além das capelas, há uma vista muito bonita na região.

Da RS-122 até São Marcos são uns 14 km por estrada de chão. Algumas pedras e muito pó. Desta vez não fui a São Marcos, já que meu destino era Caxias do Sul. Fica para o próximo passeio. Confira mais fotos de viagens lá no Instagram.

Do Rio da Prata a Antonio Prado

Para chegar a Antonio Prado passando pelo Rio da Prata, peguei uma estrada de chão em Vila Flores, a RS-437. Depois da ponte ferroviária mostrada no Post anterior, tem a barragem da usina PCH da ilha.

A estrada contorna o lago e passa sob a ponte ferroviária.

A usina em si não é possível ver da estrada. Tem apenas um trecho, ainda em Flores da Cunha, onde é possível ver a barragem entre árvores. Depois, a vista é só para o lago.

Na margem da estrada e do lago tem uma igreja de madeira. É a capela São Roque.

Em seguida tem um mirante, mas é apenas para ver o lago.

Eu tentei chegar perto da usina, mas desisti. Não sei se tem uma vista da barragem lá. No caminho da usina, mais uma capela. A de Nossa Senhora da Saúde.

Depois foi só subir para Antonio Prado. Às margens da estrada de chão, alguns casarões antigos chamam a atenção.

A RS-437 termina na 448. À direita o caminho leva a Nova Roma do Sul. À esquerda, Antonio Prado. As cascatas da usina ficam por lá. A foto abaixo é de uma delas.

Em Antonio Prado parei para o almoço e depois desci a RS-122. No caminho, mais locais para fotografar, sempre em estradas de chão e rotas alternativas. Tema para o próximo Post. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

Saindo de Vila Flores para Antonio Prado

Existem duas maneiras de viajar entre as duas cidades. A normal é pegar a BR-470, seguir até Bento e depois ir a Antonio Prado passando por Farroupilha e Caxias. Tudo asfalto. Para quem curte aventuras, há uma estrada de chão, a RS-437. Antes de sair de Vila Flores, fui visitar a capela São Jorge, que é de pedra.

Seguindo por uma estrada de chão, tem a comunidade do Sagrado Coração.

Estrada de chão em bom estado.

A RS 437 que leva a Antonio Prado começa na BR-470. No caminho tem outra igreja, a de Caravágio.

Descendo a RS-437, tem um pequeno capitel, antes de chegar ao rio da Prata.

No rio, tem uma barragem e uma usina. A ponte é ferroviária.

A estrada contorna o lago da barragem e depois é só subir para Antonio Prado. No próximo post fotos do lago e de casas antigas pelo caminho. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

Pelo interior de Vista Alegre do Prata

Num domingo ensolarado de setembro, fiz este passeio muito legal pela região de Veranópolis e Nova Prata. Primeiro parei em Veranópolis para um almoço, no centro da cidade.

Depois segui pela BR-470 em direção a Fagundes Varela. Na entrada da cidade tem a ponte sobre o Arroio Vicente, com uma cascatinha.

O arroio fica ao lado deste casarão de madeira.

Um bom lugar para transformar num restaurante ou cafeteria, para atrair turistas. Mas está fechado. Bem, entrei no centro de Fagundes Varela e segui para o interior, rumo a Vista Alegre do Prata. No caminho tem um rio que não descobri o nome, com uma barragem.

Em Vista Alegre do Prata peguei uma estrada em direção a Nova Bassano, para conhecer a capela de São Bernardo, na comunidade da Boa Fé. É de madeira e bem bonita.

Outra capela na região é a de Nossa Senhora do Pedancino.

Seguindo para Nova Prata, outra capelinha.

As estradas de chão na região estão em bom estado, com alguns pedregulhos e muito pó, mas vale a pena fazer um passeio por lá. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.