O Primo Café de Guaporé

É uma cafeteria e restaurante, enfim, uma espécie de bistrô. Fica bem no centro de Guaporé, a uma quadra da praça da igreja. Um casarão antigo que já foi moradia de uma das pessoas mais ricas da cidade na época. O casarão foi reformado por dentro e ficou um ambiente bem agradável.

O cardápio é bem variado. tem pratos para almoço, lanches, sucos, cafés, sanduíches.

Os preços se assemelham aos de um bistrô normal.

O dono do casarão se chamava Primo Pandolfo, daí o nome do café.

Quando estive por lá, fiz apenas um lanche.

O café funciona todos os dias e é uma ótima opção para quem circula pelo centro de Guaporé. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.

De São Valentim do Sul a Dois Lajeados por estrada de chão

O caminho entre as duas cidades é feito pelas RS 431 e 129. Asfalto. Eu prefiro percorrer os caminhos alternativos. Este roteiro foi feito por estrada de chão, saindo da localidade de São Jerônimo, às margens do Rio carreiro. Na subida para a RS-129 passei pela Linha Azambuja, interior de São Valentim do Sul.

Em seguida tem uma comunidade um pouco maior, conhecida como Fazenda Fialho, ainda em São Valentim do Sul.

De Fazenda Fialho cheguei a RS-129 e fui para o interior de Dois Lajeados, onde passei pelo capitel Santo Antônio.

Tentei chegar numa cascata em Dois Lajeados, mas não consegui. A cascata do Monte Cuco. Cheguei próximo mas não achei trilha que levava até a água. No caminho fotografei uma casa antiga.

De um ponto da estrada se avista um dos viadutos ferroviários da região.

E passei pela localidade de Nossa Senhora das Graças, com a igrejinha que parecia abandonada, mas não está. Apenas fechada.

Dois Lajeados é famosa pelos túneis ferroviários e os viadutos. Já conheço os principais. De Dois Lajeados subi a RS-129 em direção a Guaporé, onde passei a noite. No dia seguinte, segui para o Norte mais uma vez e conheci uma bela capela de madeira. Assunto para o próximo Post. Mais fotos de viagens você acompanha no meu perfil no Instagram.

Comunidade de São Jerônimo de São Valentim do Sul

Esta localidade fica perto do Distrito de Santa Bárbara, que está localizado às margens da RS-431. Na localidade, tem uma pequena igreja.

Fica bem perto do Rio Carreiro. Logo depois da igreja, tem o casarão mostrado no Post anterior.

Em seguida tem uma ponte.

A ponte é sobre um riacho que deságua no Rio Carreiro.

A estrada passa ao lado de um morro com pedras. Ao longe é possível avistar uma cascata.

O céu nublado e a falta de sol prejudicaram a foto. Depois de passar pelo distrito de São Jerônimo, subi o morro em direção à RS-129 em Dois Lajeados, tudo por estrada de chão, passando por outras comunidades da região. Mais fotos de viagens estão no meu perfil no Instagram.

Casarões no interior de São Valentim do Sul

Uma descoberta no interior deste município. No distrito de Santa Bárbara, bem onde começa o Rio Taquari, na união dos rios Carreiro e das Antas, tem uma estrada de chão que leva à localidade de São Cristóvão. Pelo caminho, algumas casas antigas, algumas parecendo abandonadas.

A estrada é de chão, mas em bom estado.

A estrada passa ao lado do rio Carreiro antes dele desaguar no rio das Antas.

Depois da pequena igreja e de um camping, à direita tem um dos casarões antigos mais bonitos que já vi.

O casarão foi construído no começo da década de 40. O primeiro proprietário era o Sr Lázaro Giordan.

Hoje o casarão pode ser considerado uma verdadeira relíquia.

Quem quiser conhecer o casarão o caminho é bem fácil. No Distrito de Santa Bárbara, é só entrar à direita na avenida Brasil, para quem sobe em direção a Guaporé. Pegando a estrada de São Cristóvao, depois da igreja está o casarão. São poucos quilômetros. Confira mais fotos de minhas viagens no Instagram.

O Povoado Molinari de Vespasiano Correa

Na verdade esta pequena localidade fica entre os municípios de Vespasiano Correa, Muçum e São Valentim do Sul. Não sei realmente de qual deles é distrito. Cheguei por lá a partir de Muçum, por estrada de chão. Em Povoado Molinari, algumas casas e esta pequena igreja, que nem aparece no Google Maps.

Entrei no Povoado por curiosidade, já que estava na região e vi placas indicativas. Na verdade, eu tinha me perdido um pouco antes, apesar do GPS.

Era um dia com céu bem nublado, em pleno verão. Temperatura caindo, parecia inverno. Termômetro do carro chegou a marcar 18 graus.

Era um domingo e tinha chovido em Estrela, onde passei a noite de sábado. Em Estrela, uma das atrações turísticas é a antiga escadaria que leva ao Rio Taquari.

Lá também fica uma antiga fábrica da Polar.

Pois o domingo amanheceu nublado e chuvoso. Subi em direção a Colinas e depois segui para Roca Sales e Muçum, onde entrei na estrada de São Cristovão, que margeia o Rio Taquari. De vez em quando a chuva parava.

De Muçum subi para o Norte por estrada de chão e foi aí que me perdi e acabei conhecendo o Povoado Molinari. De lá, errei o caminho algumas vezes mas acabei no meu destino, a RS-431 e o distrito de Santa Bárbara, em São Valentim do Sul. O almoço foi lá.

Um lugar bel legal às margens da RS-431. O Armazem Madeira e Flor. Há várias placas indicativas na estrada.

Depois do almoço, foi hora de seguir viagem. E foi aí que fiz as primeiras descobertas daquele roteiro. Casarões de madeira perdidos no interior de São Valentim. Assunto para o próximo Post. Confira mais fotos de viagens no meu perfil no Instagram.