De Rodeio Bonito a Sagrada Família

Rodeio Bonito é uma pequena cidade que fica logo abaixo de Ametista do Sul, por estrada da chão. São poucos quilômetros e de manhã cedo a paisagem estava bem bonita na região.

img_20190607_080848152_hdr3216489930767254169.jpg

img_20190607_082802014_hdr2395535541355273807.jpg

Depois de alguns quilômetros de chão em meio ao nevoeiro,  chegamos a Rodeio Bonito, que tem asfalto na entrada da cidade.

img_20190607_082806865_hdr5101415335742063387.jpg

A  cidade tem uma bela praça.

img_20190607_083943814_hdr2439095172641692383.jpg

img_20190607_083257866_hdr1973259762392165079.jpg

img_20190607_083252167_hdr2281216673894228351.jpg

De Rodeio Bonito a viagem segue por estrada de chão até Novo Tiradentes, a poucos quilômetros de distância. Lá, o que chama a a atenção é a igreja com um grande relógio.

img_20190607_090736439_hdr1503691936758391426.jpg

img_20190607_090652123_hdr4317556297163544678.jpg

A igreja fica na frente de uma praça.

img_20190607_090724942_hdr4293777034103100391.jpg

Mais adiante, também por estrada de chão, está a pequena cidade de Cerro Grande. A igreja também tem um relógio.

img_20190607_092229831_hdr2291285699448903921.jpg

Tem uma praça na frente também.

img_20190607_092245323_hdr7575724098259904270.jpg

Apesar de ser dia de semana, havia pouco movimento nas ruas.

img_20190607_092308404_hdr5247498418771036562.jpg

De Cerro Grande seguimos a viagem, ainda em estrada sem asfalto. O destino era Lajeado do Bugre.

img_20190607_094524290_hdr495059213742076567.jpg

Todas as cidades onde passamos naquela manhã eram similares. Uma avenida asfaltada. Uma praça e uma igreja na frente. Em Sagrada Família, próximo destino, havia um lago na entrada da cidade.

img_20190607_100102427_hdr6569112538357868137.jpg

Depois fotografei a igreja, para variar um pouco… Como são cidades bem pequenas e parecidas, não havia muita opção na hora de fazer as fotos. As próximas cidades do roteiro também são bem pequenas mas, pelo menos, a estrada tem asfalto. É assunto para o próximo Post. Confira meu perfil no Instagram. No Twitter ou no Facebook.

 

Alpestre e o Mirante da Usina

A cidade de Alpestre fica bem ao norte do RS. Tem asfalto a partir de Planalto, mas eu cheguei por Rio dos Índios, numa estrada de chão cheia de pedregulhos. Como a maioria das cidades deste roteiro, Alpestre é bem pequena.

img_20190606_133636367_hdr7439621167327529834.jpg

img_20190606_133627056_hdr8580548641132619982.jpg

A principal atração fica a 18 km do centro, por estrada de chão em estado razoável. É o Mirante da Usina. A usina em questão é a Hidrelétrica Foz do Chapecó. Fica no Rio Uruguai, que divide os Estados do RS e SC.

img_20190606_141407290_hdr1892677522867923854.jpg

A capacidade da usina equivale a 25% do consumo de energia do estado de Santa Catarina ou 18% do consumo do Rio Grande do Sul. É energia suficiente para abastecer mais de cinco milhões de casas.

img_20190606_141348805_hdr261281156731294224.jpg

img_20190606_143822927_hdr6504711382680898634.jpg

Do mirante até a usina tem uma estrada asfaltada de uns 2 km. É possível atravessar a barragem de carro, até SC.

img_20190606_142952744_hdr6287382150947992833.jpg

A seguir uma foto da estrada de chão que leva ao mirante, a partir de Alpestre.

img_20190606_143848589_hdr8786405700178133132.jpg

Do lado catarinense, a primeira cidade é Águas de Chapecó. Eu voltei a Alpestre e depois desci em direção a Planalto, por estrada asfaltada. Parei em Planalto para um café e fui para Ametista do Sul, para passar a noite. O acesso a Ametista por Planalto tem asfalto. Por Frederico Westphalen é estrada de chão e está ruim. No caminho para Ametista, fotografei esta pequena igreja.

img_20190606_161740315_hdr1742339284387307749.jpg

Ametista eu já conhecia, mas a cidade cresceu muito desde a última vez que estive lá, faz uns 4 anos. Cresceu graças ao turismo. Tem mais comércio e mais pousadas. Na estrada para Planalto tem um restaurante subterrâneo que faz muito sucesso entre os turistas. No centro de Ametista, a pirâmide esotérica chama a atenção.

img_20190606_171213504_hdr3584163601014418132.jpg

Fica na praça em frente à igreja.

img_20190606_171248015_hdr7883380267095773052.jpg

Estão construindo uma torre ao lado da igreja, que terá a altura de um prédio de 11 andares e será um mirante para os turistas observarem a região. Não tem prazo para conclusão.

img_20190606_1734111357979921060219444469.jpg

A partir de Ametista eu desci em direção a Rodeio Bonito e conheci várias cidades próximas, mas isso é assunto para o próximo post. Confira também minhas fotos no Instagram. No Twitter ou no Facebook.

 

A Festa Junina de Nova Prata

A partir de 21 de junho a cidade de Nova Prata estará com um evento bem de acordo com o mês. A Festa Junina. Será no Largo da Prefeitura, entre os dias 21 e 23. A avenida Fernando Luzzatto vai se transformar num grande arraial para comemorar o Santo padroeiro do Município: São João Batista. Os visitantes irão encontrar barracas de comidas típicas, de brincadeiras e um palco para apresentações. A novidade deste ano são o concurso de quadrilhas, no sábado à tarde; e o arrasta pé no domingo de tarde. Na foto abaixo, do arquivo do evento, o movimento de festa em anos anteriores.

Festa Junina - Vanice Dal Magro - C Comunicação (2) (Copy)

Além da festa popular, a religião católica de Nova Prata celebra em 24 de junho o dia de São João Batista. A região tem várias atrações para o turista, entre elas o Parque Termas do Prata, que fica na estrada para Protásio Alves. Dentro do complexo fica a Cascata da Usina.

casc

Na estrada tem um mirante para observar melhor a Cascata. A Festa Junina de Nova Prata é um bom programa para o começo do Inverno. Nesta sexta-feira estarei na cidade para conferir a festa. A temperatura vai cair nos próximos dias e estará bem friozinho na Serra. Muito bom. Confira meu perfil no Instagram. No Twitter e no Facebook.

Passando por terras indígenas no norte do RS

A região da RS-324 em Planalto, Ronda Alta e Nonoai e uma das muitas áreas do Rio Grande do Sul onde há terras indígenas. Perto da cidade de Planalto, por exemplo, as aldeias ficam às margens da RS-324. Bem, nesta viagem que fiz em junho, saí da cidade de Engenho Velho – no Post anterior – por estrada de chão até a RS-324, que está com asfalto novo. No geral, as estradas de chão da área estão boas, com alguns pedregulhos. Três Palmeiras fica bem às margens da RS-324. A foto abaixo é da igreja matriz da cidade.

img_20190606_103143885_hdr7593167299315370166.jpg

Quando a cidade é muito pequena, a foto acaba saindo da igreja mesmo. Ou da praça. Ou da avenida principal, como esta abaixo, em Três Palmeiras.

img_20190606_103127696_hdr2233669499552631084.jpg

Subindo a RS-324 em direção ao Norte, a próxima cidade é Trindade do Sul, também bem às margens da rodovia. Há pouco o que fotografar, por isso registrei a principal avenida.

img_20190606_105731826_hdr7530262198476475720.jpg

img_20190606_103151778_hdr7998476316403278216.jpg

Alguns quilômetros a frente fica outra cidade da região. Gramado dos Loureiros.

img_20190606_111427082_hdr4711912714686488740.jpg

Depois de Gramado dos Loureiros mudei o rumo um pouco. Fiz um desvio, pegando a estrada que leva a Chapecó, em SC. Meu destino era Nonoai, a maior cidade da região, mas confesso que fiquei decepcionado. Pensei que fosse maior.

img_20190606_121835792_hdr2809320479137158045.jpg

A principal praça de Nonoai se chama Getúlio Vargas.

img_20190606_121912229_hdr7013955170198040932.jpg

img_20190606_121840180_hdr5492482779811605465.jpg

img_20190606_105738654_hdr5517277187530955112.jpg

Pegando uma estrada secundária asfaltada , segui para Rio dos Índios, outra cidade minúscula do norte gaúcho. Bem perto da divisa com SC.

img_20190606_124607295_hdr9176126718405352251.jpg

img_20190606_124621788_hdr5246288544234441359.jpg

img_20190606_124631348_hdr854658102213571884.jpg

De Rio dos Índios segui para o Norte, por estrada de chão. Até Alpestre, bem na divisa com o estado catarinense. Lá tem uma usina hidrelétrica no Rio Uruguai, que será assunto do próximo post. Confira meu perfil no Instagram. No Twitter ou no Facebook.

Morro Reuter é destino certo em julho: mais uma edição do Café da Colônia

Existem alguns eventos que são imperdíveis. Este é um deles. A terceira edição do Café da Colônia de Morro Reuter já tem data marcada: 6 e 7 de julho. Marque na sua agenda. Junto será realizada a Nona edição do Arte na Praça.

Café da Colônia - foto Tânia Goulart - 3

Ficou com água na boca né? Participar do evento não custa nada. O visitante só paga se for experimentar o café. O Kit custa 19 reais. As demais atrações são de graça.  Estão previstos shows e exposições. A feira de  produtos coloniais é uma boa oportunidade para comprar pães, cucas, queijo, schimier e muito mais. Na principal praça de Morro Reuter também haverá praça de alimentação, comercialização de mudas e produtos à base de Lavanda, brinquedos infláveis, jogos germânicos, concurso de cucas e rústica. Mas o bom mesmo é aproveitar essa oportunidade para passear na cidade, que é tranquila e segura. E tomar o café, claro.

Café da Colônia - foto Tânia Goulart - 1

Morro Reuter espera o visitante com várias atrações musicais, entre elas a Luiza Barbosa, que foi finalista do The Voice Kids 2019. Ela irá se apresentar no sábado, às 17 hs. Morro Reuter fica a menos de 60 km de Porto Alegre pela BR-116. Vale a pena conferir este evento. Eu estarei por lá, como fiz nas duas edições anteriores. As fotos desse post são da Tânia Goulart, que faz a assessoria de imprensa para a prefeitura. Confira também minhas fotos de viagem no Instagram. No Twitter. Ou no Facebook.