A Casa Vêneto do Vale dos Vinhedos

Esta pousada temática funciona desde o fim de 2018 no Vale dos Vinhedos. Tem um prédio de pedra bem interessante. A parte principal tem mais de 100 anos.

img_20190730_105827170_hdr2382965251135882422.jpg

A pousada fica num lugar bem tranquilo.

img_20190730_105939548_hdr660280863117249269.jpg

Bom para quem curte ficar neste tipo de hospedagem.

img_20190730_110009547_hdr4969628043016494668.jpg

img_20190730_110018722_hdr6010808039421020853.jpg

As diárias para casal ficam entre 400 e 500 reais na média. É um lugar para quem procura algo diferenciado. O café da manhã é servido em cestas, e pode ser levado ao quarto.

img_20190730_1105566621958775455490018818.jpg

Não há muitos vizinhos por perto, o que garante a tranquilidade.

img_20190730_110038552_hdr1727281034736849496.jpg

Numa das pedras da casa principal está a data da construção da casa.

img_20190730_111034990594878349370269799.jpg

A pousada fica na estrada do Vale dos Vinhedos, depois da Vinícola Miolo. Há placa indicando o lugar. Tem mais fotos de minhas viagens no Instagram. Confere lá.

O Morro da Antena em Bento Gonçalves

Local pouco conhecido pelos turistas. Fica na estrada do Vale dos Vinhedos, a poucos quilômetros da BR-470. O morro tem mais de 600 metros de altitude e garante uma bela vista da região, mesmo em dias nublados. A área é particular mas está aberta em horário comercial.

img_20190730_101607579_hdr4646447242397753663.jpg

É possível subir de carro até o topo. Estrada com calçamento.

img_20190730_101924995_hdr1206368119432708499.jpg

img_20190730_101331360_hdr7411494565274530531.jpg

Não lembro de ter visto placas indicativas, mas o Google Maps leva direitinho lá.

img_20190730_101448776_hdr1117027570603331683.jpg

Bento Gonçalves tem várias atrações para o turista, além do Vale dos Vinhedos. No Caminho de Pedras, por exemplo, tem a Casa da Confecção, ao lado da Casa do Queijo.

img_20190729_155327004_hdr5245528885033778449.jpg

Caminhar pela propriedade sempre rende algumas fotos.

img_20190729_154406744_hdr6274962863040269369.jpg

img_20190729_154415439_hdr8351836072530611035.jpg

img_20190729_154438382_hdr6738993661632479496.jpg

Perto do Caminho de Pedras fica a localidade de Barracão, que tem esta igrejinha.

img_20190729_162741327_hdr4632194664283165196.jpg

Pena que em Bento Gonçalves a rede hoteleira seja muito cara. Mas há opções de hospedagem em cidades próximas. Confira também meu perfil no Instagram.

 

 

 

Conhecendo novas cidades no Noroeste Gaúcho

Com as cidades deste Post, já são 466 que eu conheço no RS. Faltam 31. A primeira cidade do roteiro é Humaitá. O prédio do Clube é de 1953.

img_20190719_095328338_hdr6678704915890326132.jpg

Vizinha a Humaitá fica a cidade de Crissiumal, que também tem um prédio antigo do clube. De 1951.

img_20190719_101637819_hdr1102407054693328726.jpg

Crissiumal tem um monumento na avenida principal e uma praça com antigos canhões.

img_20190719_101542987_hdr7466249338734301257.jpg

img_20190719_101328638_hdr7060654327060452367.jpg

Um casarão antigo no centro.

img_20190719_101315977_hdr974026071859194717.jpg

Para chegar a Nova Candelária é preciso enfrentar 14 km de estrada de chão a partir de Crissiumal. A estrada não está ruim. Nova Candelária tem população de origem alemã, o que se percebe na limpeza e na organização.

img_20190719_104416062_hdr2370763619194365740.jpg

img_20190719_104429908_hdr3598005776796390469.jpg

img_20190719_104442522_hdr439710747976848427.jpg

img_20190719_104458530_hdr25399265315139087.jpg

De Nova Candelária segui para a pequena São José do Inhacorá. São 4 km de estrada de chão. Asfalto só na avenida principal.

img_20190719_111031279_hdr795304816319558464.jpg

img_20190719_111332378_hdr4388460379368352608.jpg

Sede Nova é conhecido como o município da produtividade. A estrada é de chão e tem 10 km. No centro, uma avenida asfaltada, uma praça e a igreja.

img_20190719_115142419_hdr625450192758525666.jpg

img_20190719_1152000629222454832764322316.jpg

img_20190719_115204924_hdr9178757446915886450.jpg

img_20190719_115126319_hdr978417714925166248.jpg

Para chegar a São Valério do Sul foi meio complicado. Havia chovido na madrugada e a estrada a partir de São Martinho é de chão, com terra muito fofa. Tive de enfrentar um lodaçal que fez o carro dançar na estrada. Por isso a velocidade média foi de uns 10 km/h para não correr riscos.  A distância é de 9 km. Na chegada, o asfalto da rua principal foi um alívio.

img_20190719_132458699_hdr232677691626767894.jpg

img_20190719_132509835_hdr4544927911716982593.jpg

img_20190719_132429218_hdr7420820656358925182.jpg

De São Valério segui para Alegria, a 18 km de distância. Estrada de chão, mas com terra mais dura, mais tranquilo de trafegar. As fotos abaixo foram feitas no caminho.

img-20190719-wa00033957196625237595517.jpg

img-20190719-wa00028048249704653391233.jpg

Em Alegria só foi possível fotografar a igreja e a rua principal.

img_20190719_140303366_hdr8818552098167643006.jpg

img_20190719_140319588_hdr1386823714769616859.jpg

img_20190719_140329607_hdr2447907569417453460.jpg

De Alegria para Inhacorá a viagem é rápida, também por estrada de chão. Inhacorá é menor e menos organizada.

img_20190719_142307092_hdr1949702962205962950.jpg

img_20190719_142302569_hdr4731981620634804563.jpg

img_20190719_1422467375332264540415302500.jpg

De Inhacorá outra viagem rápida para Chiapetta. Tem asfalto, com alguns buracos. Chiapetta parece ser mais organizada, inclusive com uma rua coberta no centro.

img_20190719_144255037_hdr7267508066966742900.jpg

img_20190719_144238268_hdr7032626526496339716.jpg

A cidade também é conhecida como a terra da produtividade.

img_20190719_143839955_hdr3187561754139447430.jpg

img_20190719_144345112_hdr2292338763054753979.jpg

img_20190719_144431700_hdr3289984853355220657.jpg

img_20190719_144438749_hdr4534205522214651130.jpg

Com esse roteiro completei a região celeiro do RS. Já conheço todas as cidades dessa área. As 31 que faltam ficam na Fronteira Oeste e nas Missões. Meu destino nos próximos roteiros. Confira também meus perfis no Instagram. Twitter. Facebook.

 

 

 

O espetacular Sanduíche Benevento do Caminhos de Pedra

A cafeteria e chocolateria Benevento funciona no Caminho de Pedras em Bento, ao lado da Casa da Erva Mate. Lá tem ótimos cafés e chocolates. No cardápio, sanduíches para um bom lanche. O Sanduíche Benevento é uma criação da casa.

Pão de cacau, queijo, presunto parma, rúcula e figo. E o figo não é industrializado, mas colhido no pomar da família, por isso é muito mais gostoso. Essa mistura acaba dando muito certo. Experimente com um chocolate quente ou frio, dependendo da temperatura.

O Benevento tem acesso fácil e amplo estacionamento. E o atendimento é impecável.

Nós fins de semana o movimento é maior. Nas terças não abre. Experimente, eu garanto que você vai gostar.

Derrubadas e o Salto do Yucuman

A cidade de Derrubadas fica na fronteira com a Argentina. O Rio Uruguai separa os dois países naquela região. Cidade pequena, com pouca infra estrutura.

img_20190718_124915276_hdr3959877550372633877.jpg

img_20190718_124856296_hdr4103601481578704343.jpg

A principal atração fica a poucos quilômetros do centro, com acesso por asfalto. É só seguir em frente pela avenida principal, passando pela igreja. O Parque Estadual do Turvo abriga uma das atrações mais conhecidas da região. O Salto do Yucuman. É a maior queda de água longitudinal do mundo. O melhor período para visitar é quando chove menos. É possível ver bem a queda de água, que não tem grande altura. Eu estive lá numa época de rio elevado, então não se pode ver muito, mas mesmo assim fica a impressão de que a região é bem bonita mesmo.

img_20190718_140426775_hdr3277248707051454515.jpg

img_20190718_140114062_hdr1245271276774955205.jpg

Para chegar ao local das quedas, é preciso enfrentar 15 km de uma estrada de chão. A primeira metade está razoável. A segunda metade, ruim, sendo que os últimos 5 km mais ou menos são péssimos. Leva-se uns 40 minutos para percorrer o trecho, sem ter o risco de ver um pneu rasgado pelos pedregulhos. Outro ponto negativo: falta uma passarela para que o visitante possa caminhar sem dificuldades até a beira do salto. Quando a água está elevada, fica mais difícil, com risco de queda nas pedras molhadas. Eu tive de tirar os tênis para chegar perto do rio.

img_20190718_141116789_hdr7991141353728623188.jpg

img_20190718_141111791_hdr7706138360436360282.jpg

img_20190718_134658905_hdr3376153850340281695.jpg

Bastaria construir uma passarela de metal, do tipo que existe em Foz do Iguaçu, para facilitar a vida do turista. Mas como o parque é estadual e depende de dinheiro público, podem esquecer.

img_20190718_140426775_hdr3277248707051454515.jpg

Do lado argentino há passeios de barco pelo rio. Também há pousadas na cidade. Para atravessar o Uruguai é preciso pegar a balsa em Porto Soberbo. Quem sabe da próxima vez que for à região eu faça a visita pelo lado argentino. Na entrada do parque fica a sede, com um museu e lojinha para venda de produtos. Lá o parque é bem organizado e os funcionários bem prestativos.

img_20190718_152658439_hdr7735555994085743910.jpg

img_20190718_152644764_hdr5206184960005272062.jpg

Ah, na área junto ao rio há uma trilha que pode ser feita pelo turista. Leva a uma cascata e a uma pequena barragem. Eu caminhei pelo meio do mato até a cascata, mas pouco se pode ver, por causa do mato.

img_20190718_1431385575087778917061331317.jpg

Enfim, tirando o problema da estrada ruim e da falta de uma passarela, ainda assim vale a pena conhecer esta atração turística. Para aproveitar melhor a vista da queda, é bom telefonar antes para o parque a fim de perguntar a situação do rio. O ingresso no parque custa 17 reais por pessoa. A secretaria de turismo de Derrubadas pode informar a condição do rio, pelo telefone 55 3616 3071 ou 3616 3058. Esta foto que está exposta no parque mostra como é a região em época de seca.

img_20190718_1420599361015960777101606825.jpg

Hospedagem na região há disponível em Tenente Portela. Confira também meus perfis no Instagram. Twitter. Facebook.